CONSUMIDOR DEVE ENTREGAR LÂMPADAS FLUORESCENTES USADAS AO FORNECEDOR

Notícia

CONSUMIDOR DEVE ENTREGAR LÂMPADAS FLUORESCENTES USADAS AO FORNECEDOR

CONSUMIDOR DEVE ENTREGAR LÂMPADAS FLUORESCENTES USADAS AO FORNECEDOR

As lâmpadas fluorescentes de vapor de sódio e mercúrio não devem ser destinadas ao lixo comum, no momento do descarte. Os consumidores devem devolver suas lâmpadas usadas nos pontos de recebimento instalados no comércio, junto a distribuidores ou revendedores. O processo de logística reversa das lâmpadas inclui o gerenciamento das etapas de coleta, transporte, triagem, consolidação e tratamento na indústria de reciclagem.

Até 2019, em todo o país, 644 toneladas de lâmpadas foram recolhidas em 1.930 pontos de coleta instalados em 429 municípios, de acordo com dados do Sistema Nacional de Informações Sobre a Gestão dos Resíduos Sólidos (Sinir) do Ministério do Meio Ambiente. Por conta da questão logística, o município de Umuarama não oferece pontos oficiais de recolhimento desse material.

“As lâmpadas estão enquadradas no processo de logística reversa, que consiste em retornar para a cadeia produtiva todo o material coletado. É dever dos comerciantes desses produtos fornecer um local de descarte pós-consumo para os consumidores”, lembra o diretor de Meio Ambiente da Prefeitura, Matheus Michelan Batista.
Para auxiliar no processo, os fabricantes criaram uma associação que ficou responsável por operacionalizar a logística reversa das lâmpadas que contém mercúrio ou sódio em sua composição, a Reciclus, que disponibiliza pontos de entrega em estabelecimentos comerciais em todo Brasil para que pessoas físicas descartem suas lâmpadas usadas para a coleta segura, transporte e destinação correta aos recicladores homologados.

“Em Umuarama temos conhecimento que os supermercados Cidade Canção e algumas lojas que comercializam lâmpadas possuem esses pontos de entrega dentro dos seus estabelecimentos. Ao efetuar a troca, o consumidor precisa saber que não pode jogar a lâmpada queimada no lixo e não deve quebrá-la em hipótese alguma”, orientou o diretor.

Conforme a Reciclus (Associação Brasileira para a Gestão da Logística Reversa de Produtos de Iluminação), o descarte de grande volume de lâmpadas de mercúrio de maneira inadequada pode gerar a contaminação do solo e da água, além de causar danos à saúde humana, à fauna e à flora. O mercúrio, a depender do grau de exposição, pode causar sérios problemas de saúde.
O Paraná é o Estado que mais recicla lâmpadas fluorescentes em todo o país. O portal da Reciclus (https://reciclus.org.br/) oferece orientações sobre os procedimentos a serem seguidos dentro do processo e o modelo de declaração de ciência ao acordo setorial para implantação do Sistema de Logística Reversa de Lâmpadas Fluorescentes, de Vapor de Sódio e Mercúrio e de Luz Mista. Há pouco tempo a Reciclus iniciou a coleta gratuita de lâmpadas em condomínios residenciais e atinge 2 mil pontos de coleta em todo país, com a marca de 1 milhão de quilos coletados.

Fonte: Secom/PMU
Foto: PMU

Envie sua mensagem Ouvinte Bianca FM