Paraná fecha serviços não essenciais e determina toque de recolher a partir das 20h por nove dias para conter avanço da Covid

Notícia

Paraná fecha serviços não essenciais e determina toque de recolher a partir das 20h por nove dias para conter avanço da Covid

Paraná fecha serviços não essenciais e determina toque de recolher a partir das 20h por nove dias para conter avanço da Covid

Paraná vai fechar serviços não essenciais a partir da meia-noite de sexta (26) para sábado (27), anunciou o governo do estado. O toque de recolher também foi ampliado, e passa a valer entre as 20h e 5h.

As medidas, que valem até as 5h de 8 de março, foram tomadas por causa do aumento expressivo do número de casos da Covid-19 e pela taxa alta de ocupação de leitos nos hospitais de todo o estado.

As aulas presenciais em escolas e universidades públicas e privadas também serão suspensas ao longo do período.

A decisão foi anunciada após uma reunião do governador Ratinho Junior e do o secretário da Saúde Beto Preto, no Palácio Iguaçu, em Curitiba, em que vários prefeitos participaram por teleconferência.

Segundo o governador Ratinho Junior (PSD), objetivo das medidas é fazer um “freio de arrumação” até que mais doses de vacinas cheguem ao estado.

“Nós estamos no pior momento deste um ano de enfrentamento da pandemia”, justificou o governador.

Determinações

O novo decreto divulgado nesta sexta-feira determina as seguintes medidas:

  • Suspensão do funcionamento dos serviços e atividades não essenciais.
  • Proibição de circulação em espaços e vias públicas das 20h às 05h.
  • Proibição de comercialização e consumo de bebidas alcoólicas em espaços públicos ou coletivos das 20h às 05h.
  • Suspensão das aulas presenciais em escolas, universidades e instituições estaduais públicas e privadas.
  • Adequação dos expedientes dos trabalhadores aos horários de proibição provisória de circulação.
  • Atividades religiosas funcionam somente com atendimento individual ou culto on-line.
  • Regime de teletrabalho para órgãos do estado.
  • Permitidos delivery, drive-thru e take away.
  • Priorização da substituição do regime de trabalho presencial para o teletrabalho, quando possível.
  • Suspensão das cirurgias eletivas por 30 dias para unidades públicas e privadas.
  • Intensificação da fiscalização do cumprimento das medidas.

Segundo o secretário da Saúde Beto Preto, a ampliação do toque de recolher foi adotada porque a medida, adotada desde dezembro, tem sido eficiente.

“Decreto de restrição da mobilidade teve um êxito muito grande. Nos ajudou a chegar até aqui. Ele fez com que as equipes tivesse um pouco mais de folga para trabalhar”, disse.

De acordo com o governador Ratinho Junior, a discussão do que poderá abrir ou fechar foi feita junto com o setor produtivo. O comércio fica fechado no período, mas indústrias podem funcionar.

Internamentos

O Paraná bateu sucessivos recordes de internações por Covid-19 ao longo de fevereiro. Na quinta-feira (25), mais de 3 mil pessoas estavam internadas com a doença ou suspeita no estado. O índice foi um dos motivos, segundo o governo, para que novas medidas fossem adotadas.

De acordo com o governo, a taxa de óbitos em pacientes internados está em cerca de 25%.

Novos leitos

Além de anunciar medidas restritivas, o governo do estado anunciou a abertura de 99 leitos de UTI e 153 leitos clínicos em todas as regiões do estado.

  • Hospital Zona Sul de Londrina: 30 leitos de enfermaria
  • Hospital Zona Norte de Londrina: 20 leitos de enfermaria
  • Hospital do Coração de Londrina: 10 leitos de UTI
  • Hospital Bom Jesus de Ivaiporã: 4 leitos de UTI E 4 leitos de enfermaria
  • Hospital Regional de Ivaiporã: 10 leitos de enfermaria
  • Hospital Regional de Francisco Beltrão: 6 leitos de UTI
  • Hospital São Pelizzari – Palmas: 3 leitos de UTI
  • Hospital Cruz Vermelha – Castro: 10 leitos de UTI e 25 leitos de enfermaria
  • Hospital Municipal – Foz do Iguaçu: 20 leitos de UTI e 30 leitos de enfermaria
  • Hospital Metropolitano – Sarandi: 20 leitos de UTI e 34 leitos de enfermaria
  • Hospital Santa Rita – Maringá: 5 leitos de UTI
  • Hospital Municipal – Maringá: 10 leitos de UTI
  • Hospital Municipal – Cascavel: 6 leitos de UTI
  • Hospital Regional do Litoral – Paranaguá: 5 leitos de UTI

Vacina

Segundo o secretário Beto Preto, o Ministério da Saúde informou na quinta-feira (25) que em março o Paraná deve receber cerca de 1,7 milhão de vacinas.

Desde o início da campanha de vacinação contra a Covid-19, o Paraná recebeu 641 mil doses.

Coronavírus no estado

Desde o começo da pandemia, o Paraná registra 628.999 casos confirmados e 11.380 mortes provocadas pela Covid-19, de acordo com boletim da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa), publicado na quinta-feira (25).

O estado tem 461.794 pacientes recuperados da doença, o que representa 73% do total de infectados. Por outro lado, a taxa de letalidade da Covid-19 está em 2%.

O levantamento da secretaria aponta que todas as cidades do estado possuem pelo menos um caso confirmado de coronavírus, sendo que em 383 há registro de morte.

Além disso, o Paraná tem 155.825 mil casos ativos, correspondentes ao número de pessoas com potencial de transmissão do vírus.

O número de internações de casos suspeitos e confirmados de Covid-19 bateu um novo recorde na quinta-feira, com 3.376 pacientes hospitalizados, na rede pública e particular de saúde.

Fonte: Portal G1

Foto: Giuliano Gomes/PR Press

Envie sua mensagem Ouvinte Bianca FM